De verso a prosa - Em 25/04/14


M.C. Escher
De verso a prosa

Existe uma boa maneira de se exercitar a expressividade narrativa em redações e, ainda de quebra, render-se uma justa homenagem ao texto de algum escritor ou compositor de nossas letras ou de nosso cancioneiro. Ela consiste em transformar um poema ou letra de música em uma narração; ou seja, desde que existam elementos narrativos no texto em versos, como personagens, transcurso temporal, espaço, enredo, etc., realiza-se uma transposição para o texto em prosa.
 
Recentemente o cinema brasileiro "brincou" com essa mesma proposta ao levar para as telonas a canção Faroeste caboclo, de Renato Russo, música que atingiu grande sucesso nas rádios, catapultando as vendas do disco Que país é esse?, e ajudou a banda Legião Urbana a se consagrar como ícone do rock brasileiro dos anos oitenta. O mesmo aconteceu com outra famosa canção de Renato, Eduardo e Mônica, que passou para a película. É bem verdade que, nesses dois casos, o roteirista transformou as canções em texto para encenação, o chamado gênero dramático.

       Vamos dar um pequeno exemplo aqui com um poema de Manuel Bandeira.

Pardalzinho

O pardalzinho nasceu 
Livre. Quebraram-lhe a asa.
Sacha lhe deu uma casa,
Água, comida e carinhos.
Foram cuidados em vão
A casa era uma prisão.
O pardalzinho morreu
O corpo Sacha enterrou
No jardim; a alma, essa voou
Para o céu dos passarinhos! 
                           
                                (Manuel Bandeira)                                          


Compreendendo a sequência dos fatos expostos no poema ao longo do transcurso temporal, identificando-se os personagens e o espaço onde as ações se desenrolam, percebendo-se o enredo, cria-se então um texto narrativo que apresente esses mesmos elementos, sem qualquer tipo de alteração destes ou das intenções do poeta. Mas atenção: não se trata de plágio, que é algo inaceitável em qualquer situação. Em verdade é uma paráfrase, cuja fonte ou obra está perfeitamente identificada. Tome cuidado ainda em perceber essa proposta meramente como um exercício. Não seria conveniente, em uma situação de exame para concursos ou vestibulares, lançar mão do mesmo expediente, já que nesses casos a paráfrase não está autorizada, podendo resultar para o texto o grau zero. Vamos ver uma das possibilidades para o exercício proposto. 


euamoanatureza.wordpress.com
 
Questão de lógica
Marcelo Ferreira de Menezes

Eu estava na varanda, acabando de limpar a gaiola de Waldick. Waldick Soriano; esse era o nome daquele canário belga. Canarinho bom! Era tão bonito o seu canto, que eu, por diversas vezes, o inscrevi em concursos e voltei para casa com medalhas, muitas medalhas. Dei uma tragada em meu cigarro e já ia colocar a gaiola de volta no prego, quando Sacha, minha filha, veio correndo.
Papai! Papai! Olha!
Mais uma boneca quebrada, filha? ― perguntei sem me virar.
Quando me voltei para ela, vi que a pequena carregava um pardalzinho ferido.
Ah! Você achou isso ― disse, avaliando as condições da assustada ave. A asa está quebrada, filha.
Você conserta, papai? Conserta?
Vamos ver, né, filha? ― eu respondi, quase já prevendo o que viria.
Durante uma semana, Sacha se empenhou em cuidados maternais com o pardalzinho. Dava-lhe comida, água, cobertores, contava-lhe histórias para dormir, dava-lhe, por que não dizer, seu amor. O bichinho parecia até que ia melhorando. Mas bicho que nasce livre...
Num domingo o pardal morreu. Sacha chorou copiosamente.
É assim, filha. Agora está melhor para ele.
Por quê, papai?
E eu, sem saber o que dizer:
Ora... ora, porque ele voou pro céu dos passarinhos!  ― falei com um entusiasmo meio bobo. 
Sacha enxugou as lágrimas e mirou o céu sem nuvens daquela manhã. Seu rosto se desanuviou. Já parecia ter outra coisa em mente.
Depois de nós dois, em nosso jardim, cuidarmos do pomposo funeral do pardalzinho, com direito a solo de flauta doce, que Sacha exigiu que eu arranhasse, fui lavar as mãos.
Quando saí novamente à varanda, meu coração quase pulou pela boca. Sacha havia subido em um banco, retirado a gaiola de Waldick da parede e, naquele momento, segurava-a com a portinhola aberta. Não deu tempo de nada. O canário alçou voo, contrastando seu corpo amarelo com o anil limpo do céu.
Sacha! O Waldick, Sacha! Por que você fez isso?
Pra ele fazer companhia ao pardalzinho, papai! Lá no céu dos passarinhos!
Eu, um pouco, ou bastante, contrariado, só pude concordar com ela:
Tá bom, filhinha. Tudo bem.

------*------

         E você? Conhece algum poema ou canção que conte uma história? Que tal tentar fazer uma narração dela ou dele? Deixamos aqui dois exemplos de dois compositores muito queridos no Brasil: Erasmo Carlos e Gonzaguinha. Você se surpreenderá em ouvir Erasmo, o Tremendão da Jovem Guarda, roqueiro das antigas, como se diz, desenrolando, com muita desenvoltura, um gostoso samba.

Clique nos links e ouça as músicas; elas trazem em seu conteúdo elementos da narrativa.

Cachaça mecânica, Erasmo Carlos
http://www.youtube.com/watch?v=XUOgpSlMH7w

Dias de Santos e Silvas, Gonzaguinha