Esquema para relato - 18/03/2020




ESQUEMA PARA RELATO


      Procure dividir o relato em quatro parágrafos. Cada um deles deve conter, pelo menos, cinco linhas.
     No primeiro parágrafo, que é o da introdução, forneça todos os elementos que compõem esse tipo de texto — o quê, quem, onde e quando não necessariamente nessa ordem, minimamente desenvolvidos, acrescentando detalhes que especifiquem mais esses elementos, como nome do personagem, idade, profissão, endereço ou qualquer referência de lugar onde ocorreu o fato, data e outros que você considerar necessário. Essas informações devem aparecer da maneira mais objetiva possível, no entanto evite enumerá-las num mesmo período. Distribua-as em dois ou três períodos no parágrafo.
      Os dois parágrafos subsequentes, que compõem o desenvolvimento, devem conter as seguintes informações: descrição do(s) personagem(ns) envolvido(s) no fato e descrição do(s) ambiente(s), não necessariamente nessa ordem. Reserve um parágrafo para cada uma das descrições, observando a relevância e a pertinência das respectivas caracterizações para o objetivo do relato. Os adjetivos utilizados devem expressar ideias precisas, como altura, peso, tamanho, volume, espessura, cor e outros, ou mesmo traços psicológicos facilmente observáveis. Não devem, portanto, expressar impressões subjetivas do narrador. Procure, ainda, acrescentar a um dos parágrafos (ou mesmo aos dois, se necessário), períodos com discurso direto e/ou indireto, atentando para as marcas gramaticais exigidas por esses discursos.
     No quarto e último parágrafo, que corresponde à conclusão, procure dar um desfecho para o fato (o quê), como uma solução para o ocorrido. Caso isso não seja possível, forneça informações que apontem para soluções pertinentes a se concretizarem num momento posterior, ou seja, medidas ou ações que visem a uma resolução do fato futuramente.

Observação: O uso de conjunções adversativas (no entanto, entretanto, porém, mas, contudo, todavia) e conclusivas (logo, portanto) parecem não se adequar à construção do relato, já que este se trata de um tipo de texto formado basicamente por sequências temporais, ou seja, que apresentam verbos indicativos de ação e de mudança, predominantemente no passado, circunstâncias de tempo e de lugar, e por sequências descritivas, em que predominam verbos de ligação e adjetivos, comentados acima. Não são comuns a esse tipo de texto, portanto, sequências dissertativas, que expressam a opinião do narrador ou mesmo suas conclusões pessoais a respeito do fato, razão pela qual normalmente não se veem as conjunções citadas acima. Deve-se evitar, igualmente, o emprego de advérbios que expressam um julgamento pessoal do narrador (felizmente ou infelizmente, por exemplo) ou expressões de mesma função (com um final feliz, por exemplo).
Observe o esquema abaixo:



INTRODUÇÃO
Apresentação dos elementos do relato (o quê, quem, onde, quando)

DESENVOLVIMENTO
Descrição do(s) personagem(ns) com ou sem discurso (direto e/ou indireto)
Descrição do(s) ambiente(s) com ou sem discurso (direto e/ou indireto)
CONCLUSÃO
Desfecho do fato com solução ou informações que apontem uma solução



     Considere a seguinte situação:

     Faça um relato em que um jornalista informa os leitores da disseminação de uma epidemia que mudou drasticamente a rotina de uma cidade na China. O relato deve conter as seguintes informações, a serem coerentemente desenvolvidas:


O quê?
Uma epidemia muda drasticamente a rotina de uma cidade
Quem?
Todos os moradores da cidade
Onde?
Uma cidade na China
Quando?
Final do ano passado
Qual narrador?
3ª pessoa
Descrição: Descreva a cidade de modo que se perceba uma mudança drástica na sua rotina; as pessoas também devem compor esse cenário.
Discurso: Utilize obrigatoriamente o discurso direto e/ou indireto.



Epidemia na China muda rotina de uma cidade inteira


     No dia 31 de dezembro de 2019, na cidade de Xing Ling, na China, ocorreu o primeiro caso de cetrus, um vírus desconhecido e altamente contagioso, responsável pela epidemia que hoje se alastra pelos cinco continentes do globo. Esse fato ocasionou uma mudança drástica na rotina dessa cidade, afetando a vida de todos os seus moradores. Ainda desconhecido pelos cientistas, esse vírus tem causado muitas mortes, principalmente de idosos, e assustado a população mundial.
      A cidade de Xing Ling, conhecida por seu desenvolvimento industrial e suas ruas movimentadas e margeadas por arranha-céus modernos e imponentes, encontrava-se completamente vazia, uma verdadeira cidade fantasma. Nos dias que se seguiram, o trânsito frenético de carros e de pessoas atravessando as ruas ou entrando e saindo dos estabelecimentos foi trocado pelo silêncio ensurdecedor de avenidas, parques, restaurantes, clubes e inúmeros edifícios totalmente desertos.
   Uma e outra pessoa vagavam solitárias, esquivando-se umas das outras e esgueirando-se pelas esquinas silenciosas. Todas, impreterivelmente, utilizavam máscaras que cobriam o nariz e a boca, como forma de se protegerem do inimigo invisível. Uma professora universitária, de 35 anos, relatou que, na universidade em que leciona, as aulas haviam sido suspensas por tempo indeterminado, bem como haviam sido cancelados todos os congressos do semestre.
     Esforços de cientistas do mundo todo têm sido envidados para se encontrar uma vacina que combata eficazmente os sintomas causados pelo cetrus. “Estamos desenvolvendo testes laboratoriais com tecnologia de ponta para minimizar os efeitos danosos dessa doença e tranquilizar a população. Mas é necessário uma conscientização de todos no sentido de se prevenirem contra essa epidemia, tomando medidas simples de higiene”, orienta a infectologista Esther Elisa Praga.